O que uma proposta da CBF tem a nos ensinar sobre liberdade

por Michel Gralha | 24/02/2019

“A preservação dos direitos individuais é fundamental para a mudança de cultura que tanto queremos para o Brasil”

 

A frágil democracia brasileira sempre foi carregada de muito intervencionismo. Não são poucas as vezes que temos nossas vidas regradas por “normas” e procedimentos que nos influenciam inconscientemente e nos fazem pensar em sentido oposto ao lógico, transformando-nos em massa de manobra. São pequenos conceitos e atitudes repetidas que influenciam as nossas vidas. Neste sentido, não querendo entrar em debate sobre futebol, pois nunca foi o motivo das minhas colunas, entendo valioso fazer uma análise da proposta da CBF de interferir ainda mais na vida dos clubes de futebol. Parece maluco ou até ilógico vincular isto ao nosso cotidiano, mas não é!

Note que a CBF tinha a pretensão de limitar o número de técnicos que um time pode contratar no Campeonato Brasileiro, dentre outras medidas. Ou seja, um agente externo, com interesses corporativos, regrando relações privadas. E o que é pior, apoiado por inúmeros formadores de opinião. Sem dúvida, temos um assunto, aparentemente irrelevante, que demonstra o quanto, como sociedade, somos sedentos por regulações e não valorizamos nossas liberdades.

Concordar com esta medida é permitir que terceiros venham dizer o que é melhor para nós, sem que este terceiro tenha o mínimo conhecimento de cada ente, individualmente. Fazendo um paralelo, poderíamos concordar, também, que o governo limitasse o número de demissões que uma empresa pudesse fazer nos seus cargos de gestão ou, ainda, intervisse nos nossos lares determinando o número de vezes que podemos contratar um funcionário para a mesma função, por exemplo.

Quando apoiamos uma ideia, não podemos fazer isto de forma isolada. Aceitando o fim da liberdade dos outros, estamos contribuindo para a nossa escravidão mental e física. A preservação dos direitos individuais é fundamental para a mudança de cultura que tanto queremos para o Brasil. Pessoas mais livres geram uma economia mais livre e um país mais próspero. Experimentemos deixar os detalhes nos atropelar e nos tornaremos vítimas de uma sociedade ainda mais carente e dependente do assistencialismo, de quem quer que seja.

Michel Gralha

Fundador do escritório Zavagna Gralha Advogados, é especialista nas áreas de Direito Societário, M&A e Direito Empresarial. Após oito anos de atuação em escritórios de advocacia, foi Head do Departamento Jurídico na Lojas Renner, onde também exerceu cargos de Secretário do Conselho de Administração e do Comitê de Remuneração.
Ver mais posts
de Michel Gralha

EXCLUSÃO DO ICMS DA BASE DE CÁLCULO DO IRPJ/CSLL APURADO PELO LUCRO PRESUMIDO SERÁ JULGADO PELO STJ NO DIA 26 DE OUTUBRO
por Zavagna Gralha
18/10/2022
Ler mais Ler mais

Sociedade invertida
por Michel Gralha
25/09/2017
Ler mais Ler mais

APP EM ÁREA URBANA CONSOLIDADA
por Equipe Imobiliário
25/01/2022
Ler mais Ler mais